AveSui América Latina 2021   /   13-15 Abril   /   Feira 10h-18h   /   Seminários 9h-17h   /   Medianeira • PR
03-Abr-2020 09:58 - Atualizado em 03/06/2020 08:34
Comentário

Como aumentar a nossa eficiência nas granjas utilizando o advento da inteligência artificial?

Por Lauri Jefferson Miguel, Engenheiro de aplicação do setor vertical de alimentos e bebidas. Siemens Ltda.

Produzimos hoje centenas de milhares de dados desde o nascimento de um frango até o momento em que ele se torna um produto final  nas prateleiras, alguns destes dados já são computados e interpretados por pessoas, o que ajuda as empresas a tornarem suas decisões mais assertivas, rastreando todo o processo produtivo. Porém alguns fatos nesse processo nos deixam intrigados, por exemplo: quanto tempo se leva para analisar esta informação? As informações registradas são confiáveis? Qual(is) o(s) desvio(s) que tivemos nestas coletas?

Todas estas respostas irão influenciar diretamente no resultado de sua decisão e consequentemente nos resultados da sua empresa.

Com toda certeza nossa eficiência será maior se tivermos a capacidade de coletar estes dados de forma automática, processá-los, traçar uma curva de tendência entre os dados, analisar qual a correlação entre estes dados, efetuar tomadas de decisões em tempo real, sem ou com muita pouca intervenção humana.

Pode até parecer um futuro distante, mas este é o presente para as diversas empresas, inclusive na Siemens na qual, fazemos parte do corpo técnico.

No caso específico da Siemens, já desenvolvemos um módulo de inteligência artificial, capaz de processar e relacionar diversas informações de um determinado processo. Assim, não se faz necessário o uso de uma nuvem externa ou um big data, o módulo, através do uso de redes neurais, toma as suas próprias decisões e/ou nos oferece “insights” de melhorias de desempenho.

Tomando como exemplo um aviário, queremos que os animais tenham uma curva de crescimento acentuada, mas também é preciso garantir o bem-estar animal, dosagem correta de ração e menor taxa de mortalidade possível.

Dessa forma, começaremos pesando as aves em tempo real, monitoramos as variáveis de  temperatura, umidade, ruídos do ambiente, luminosidade e tipo de ração administrada aos animais. Correlacionando as variáveis através do uso da rede neural adequada, o sistema será capaz de, em pouco tempo, definir ações e controlar malhas, como no caso do atingimento da temperatura ideal. Somente utilizando a temperatura como entrada, seria possível acionar automaticamente cortinas ou ventiladores, conforme necessário. O mesmo equipamento poderia analisar  qual a melhor energia metabolizável da ração em função da idade das aves, qual alimento produziu o melhor resultado,  qual o programa de luz a ser aplicado para  evitar estresse nos animais e diversas outras analises que levaríamos dias, ou talvez até lotes inteiros para obtermos os resultados desejáveis.

Um controle baseado em inteligência artificial pode fazer isso em algumas horas ou dias,  bem como atualizar informações, abastecer e retroalimentar um banco de dados com resultados reais durante  todo  o tempo. A cada mudança de lote, o algoritmo estará mais preparado com melhores resultados, mais eficiente e até com novas funcionalidades. 

A máquina coletando dados de forma automática com margens de erro extremamente pequenas, tomando decisões em tempo real, minimizando perdas, melhorando bem estar animal, ajudando na escolha da ração, vacinas, controlando até visitas de veterinários, auxiliando nas amostras, aprendendo e evoluindo sozinha, para o nosso propósito. Isso é inteligência artificial! Essa é uma das atuações da  Siemens no mercado! Sempre a disposição das empresas para parcerias de forma atuarem juntas no agronegócio.

A nossa linha de produtos SIMATIC, traz inteligência artificial para toda a cadeia produtiva da carne.

imprensa,
Imprensa

Redação AI/SI